• 1.png
  • 3.png
  • 4.png
  • 5.png
  • 6.png
  • 7.png
  • 8.png
  • pe2.png



Paróquias Diocese São Luis

Paróquia Santa Cruz - Barra do Bugres


CNPJ: 03.192.499/0013-08

Data da Fundação: 1984-09-30

Endereço: Rua Pedrito Ribeiro Taques, 315 Centro - Cx. Postal 87 Barra do Bugres/MT - 78.390-000

Telefone: (65) 3361-1248

Email: barradobugres@diocesedecaceres.com.br



Vigário: Pe. Gabriel Poquiviqui Ribeiro

Pároco: Pe. Lucien Ceralien, SSST
Vigário: Pe. Geraldo Wolf
Diácono: Gabriel Pouquiviqui Ribeiro
    
A Paróquia Santa Cruz, apesar de criada oficialmente somente em 1984 por Dom Maximo Biénnès, já funcionava em ritmo quase paroquial desde 1896. O nome da Paróquia “Santa Cruz” veio da devoção de familiares bandeirantes à santa cruz, que aqui chegaram em 1878.

    Por muitos anos a Paróquia não teve Pároco e nem Padre fixo. Além da visita anual do Bispo, um ou outro Frei Franciscano da TOR dava assistência, por ocasião da festa da padroeira. Fora isso, os próprios leigos davam atendimento espiritual ao povo.
    A partir dos anos 70, com a chegada dos primeiros migrantes, atraídos pela terra e plantação de cana de açúcar, o município desenvolveu-se rapidamente. Surgiram as primeiras comunidades e o aumento do número dos fiéis foi significativo. Isso fez com que a Paróquia contasse com uma presença mais assídua de sacerdotes. Seu primeiro pároco foi padre José Egbert Pereira, seguido depois por outros como Natal, Antônio, José Pereira, Alcides de Souza, Edvino e Francisco Bernard. Neste mesmo ano (1970), iniciam-se as obras da construção da atual matriz, que levou 14 anos para ser concluída. A partir do oitavo ano de sua construção, no ano 1978, a Paróquia passou a ser atendida pelos padres italianos da Diocese de Cúneo (Itália). Nesse período concluiu-se a obra da nova paróquia, sendo inaugurada, em 1984, pelo então Pároco              Padre Luiz Parole. Entre os padres deste período, destacam-se: Desiderio Gallo e Flavio Luciano que contaram com recursos oriundos da Itália para a construção e sustento da paróquia.
    Nestes anos de intenso trabalho, surgiram as comunidades do interior, assim como as de Porto Estrela e Nova Olímpia. Nas cidades foram construídas belas e grandes Igrejas com grandes salões.
    A população abrangente era de aproximadamente 50 mil habitantes, assim distribuídos: 20 mil nos centros das cidades, 15 mil nas periferias, 5 mil nos distritos de Curupira e Assari e 10 mil habitantes na zona rural. Eram 11 comunidades na zona urbana e 40 na zona rural. Por este período a população era quase toda Católica, marcada por um sistema tradicional.
    Aos poucos algumas pastorais foram surgindo, e com isso, introduzindo ministros extraordinários da Eucaristia em quase todas as comunidades urbanas. Porém, a presença da eucaristia só acontecia na Matriz da Barra e nas Igrejas existentes de Nova Olímpia e Porto Estrela. Nas comunidades do centro já existia a catequese renovada, equipes de liturgia, curso de noivos e de batismo. Quase todas as comunidades possuíam os Grupos de Jovens bastante atuantes na época. As festas eram constantes no dia de seus padroeiros e danças do Cururu, do Siriri e do São Gonçalo. Duas associações de assistência foram criadas na época: um Asilo para idosos e uma Associação (Irmã Dulce) para atendimento mensal a 40 pessoas. Essas associações atuam hoje independentes da paróquia, com suas diretorias e programações próprias.
    Em 1994, após 15 anos de atuação dos padres italianos de Cúneo, os padres capuchinhos assumem a direção da paróquia. Os primeiros padres capuchinhos a assumirem a Paróquia foram: Frei Danilo Pagliari (ajudado por Nelson Campregher, frei Valmir Pintos e Frei Ervino Francisco); foi substituído em 1996 por Frei Pedro Bianchi (ajudado pelos freis Eliseu Aiolfi e Nelson Campregher). Neste mesmo ano chegaram à paróquia as irmãs Carmelitas de Vedruna para ajudar na evangelização do Povo de Deus.
    Em 1998 chega à nova Olímpia, para assumir o trabalho na pastoral, as irmãs da Congregação Franciscana da Ação Pastoral.
Com a doença do pároco frei Pedro Bianchi, em 1999, assume em seu lugar o frei Carlos Reis Freitas, permanecendo na paróquia até o ano de 2002, quando é substituído pelo frei Airton dos Santos. Neste mesmo ano chegam a Porto Estrela as irmãs franciscanas da Congregação do Coração de Maria para assumir os trabalhos pastorais.
    No ano de 2007, acontece a criação da paróquia Nossa Senhora Aparecida no município de Nova Olímpia, sendo designado como pároco, o padre diocesano José Maria Basílio.
    Após 6 anos à frente da paróquia, Frei Airton dos Santos é substituído pelo frei Atair Tomaz, que, com a ajuda do frei Natalino, conduz os trabalhos de evangelização do Povo de Deus. Graças à ação dos agentes de pastorais e das lideranças existentes, as pastorais e os movimentos encontram-se organizados e estruturados através de reuniões e formações em nível de núcleo e paróquia.